Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

dez segundos

uma mulher, sempre à procura de se melhorar, com algumas coisas para dar e muito para receber.

dez segundos

uma mulher, sempre à procura de se melhorar, com algumas coisas para dar e muito para receber.

30
Mai17

os meus meninos - 2

miss queer

hoje continuamos com três meninas!

 

A. - 15 anos. classe média-alta. está no 9.º ano, num colégio privado. está atrasada um ano porque emigrou com a família para os EUA em pequena (sendo assim o inglês a sua primeira língua) e, quando regressou, teve de ingressar na escola um ano atrás do que deveria estar. pratica ballet e é muito boa, segundo diz, apesar de não ter o corpo típico de bailarina. na escola, é uma aluna mediana. a sua autoestima é inexistente. sempre que tem uma avaliação no ballet, os pais fazem questão de lhe dizer «porque é que és tão boa no ballet e na escola não?». para ajudar, a irmã mais velha estuda medicina. para ela, todos são melhores do que ela o que, por vezes, leva a A. a desejar ser outra pessoa. com ela, já deixei explicações só para conversar. e, segundo disse, contou-me mais do que conta à psicóloga. voltarei a fazê-lo as vezes que forem precisas, porque a A. é capaz de muito mais, só precisa de acreditar nela e que acreditem nela. o desejo de atingir a perfeição, essa utopia, é tão grande, que ela não consegue ser feliz. mas sabem aqueles pequenos momentos em que a vejo sorrir? para nós valem muito! somos também como duas irmãs - apesar de ela insistir em tratar-me por «você»! se os pais fossem menos críticos e menos controladores - a A. tem de contar cada passo que dá, no minuto em que dá -, talvez ajudasse a que ela ganhasse um pouco mais de confiança.

 

LP - 13 anos. classe média-baixa. 8.º ano. tem dificuldades a perceber português, em interpretar um texto, mas não tem nenhum diagnóstico. não estuda sem ser aquela hora que está comigo durante a semana. a família não quer que ela tenha mais do que 1h de explicação semanal (e não é por não poderem pagar), culpando-me pelos maus resultados, sem verem que a L. não faz qualquer esforço em casa e sem que eles a ajudem. mas a culpa é sempre do professor, claro. damo-nos muito bem, mas é daquelas com quem tenho de manter uma certa distância, pois tende a abusar. infelizmente, ela sabe que precisa de mais ajuda. mas a família não quer dar-lha. e se a família não quer... o professor não pode fazer nada! e se a L. também não sabe ver quando está a ultrapassar os limites, também não consigo perceber bem o que se passa com ela.

 

MC - 10 anos. classe média-alta. 4.º ano. filha de jornalistas. mentirosa compulsiva. os pais transmitem-lhe a ideia de que é a melhor em língua portuguesa, só por eles serem jornalistas. o que não é verdade, a MC tem muitas dificuldades a português e a matemática. a MC mente em casa, mente na escola, mente no centro. umas vezes conseguimos perceber no momento, outras não. desde mentiras sobre o trabalho às dores falsas, já apanhámos tudo. é seguida no psicólogo, mas o trabalho que está a ser feito não está a ter qualquer resultado. continua a mentir, continua exibicionista... e compreender o motivo? será por o pai estar constantemente a viajar? serão ciúmes por a irmã mais nova estar mais tempo em casa? tem tudo o que quer, mas parece-me que lhe falta amor e carinho dos pais. se uns dias me parece que estou a conseguir avançar com ela, outros dias parece que volta tudo ao princípio e que ela não quer avançar! sei que com a minha paciência trabalha melhor do que com os berros e a impaciência de outras pessoas. gostava mesmo de conseguir compreender o que leva a MC a não nos deixar ajudá-la mais, mas ainda não foi possível. acho que sou como uma tia para ela.

 

e acabaram as meninas. amanhã começam os meninos. os mais problemáticos!

18 comentários

Comentar post